“A nova dependência do século”

Depois de anos a apostar na integração do mundo digital nas escolas, (e vice-versa), a UNESCO surpreendeu todo o mundo no ano passado com o pedido para “proibir os telemóveis” nas escolas. “É claro que o uso do telemóvel distrai os alunos das suas aulas, mas, principalmente, está ligado a um aumento do comportamento antissocial. A ansiedade disparou”.

É neste contexto que a eficácia dos manuais digitais começa a ser questionada e há países a recuar. Há um identificado receio de que os alunos desenvolvam uma maior dependência dos meios informáticos, o que exige aos EE/pais uma supervisão mais apertada no uso das tecnologias.

O digital está a ser considerado um foco de indisciplina, devido à dificuldade em captar a atenção dos alunos, com problemas de concentração resultantes da hiperestimulação associadas ao uso destes dispositivos.

Conclui-se que “aprender através de um ecrã prejudica as aprendizagens, porque diminui a capacidade de leitura, de atenção e de memorização”.

“Especialistas das mais variadas áreas, desde a neurociência, à oftalmologia, psicólogos ou professores, têm alertado para a exposição e o uso excessivo de ecrãs.

Portugal iniciou uma Experiência-Piloto para o uso de manuais digitais. Os pais estão preocupados. Uma Petição com mais de duas mil assinaturas pede o regresso dos manuais em papel, defendendo que os livros em papel são “recursos mais saudáveis e eficazes para todas as crianças” e, por isso, pede o “fim imediato do projeto-piloto” dos manuais digitais

sobre o autor
Eduardo Costa
Discurso Direto
Partilhe este artigo
Relacionados
Newsletter

Fique Sempre Informado!

Subscreva a nossa newsletter e receba notificações de novas publicações.

O envio da nossa newsletter é semanal.
Garantimos que nunca enviaremos publicidade ou spam para o seu e-mail.
Pode desinscrever-se a qualquer momento através do link de desinscrição na parte inferior de cada e-mail.

Veja também