A época 23/24 do FC Arouca

A um dia do FC Arouca iniciar a pré-época da nova temporada (24/25), o Discurso Direto relembra aqui toda a campanha anterior, da qual se destaca a presença na Conference League e a recuperação incrível desde o último lugar até ao sétimo.

Tudo se iniciou a 30 de Julho, no Municipal de Arouca, com um triunfo tranquilo frente ao Rio Ave (2-0) e que confirmou a presença arouquense na fase de grupos da Taça da Liga. Seguiu-se a primeira mão da 3ª pré-eliminatória frente ao Brann, onde os Lobos de Arouca poderiam ter saciado melhor a sua fome de golos e levar para a Noruega uma vantagem mais confortável. 2-1 foi o resultado final. Três dias após este triunfo, o FC Arouca iniciou o seu trajeto na Liga com uma vitória que entrará nos livros de História. Os arouquenses recuperaram três vezes de desvantagem e, mesmo a jogar com 10 desde a meia hora de jogo, conseguiram vencer por 4-3 no último suspiro. Pedro Santos saltara do banco para carimbar o triunfo, possivelmente longe de imaginar o protagonismo que teria na equipa.

Depois deste início de sonho, veio o pesadelo europeu. Num jogo que não teve transmissão televisiva em Portugal, o FC Arouca perdeu por 1-3 na casa do Brann e foi eliminado da Conference League. O forte apoio das bancadas deu a crença necessária que, misturada com tremendas debilidades defensivas dos arouquenses, fez com que logo na primeira parte o Brann estivesse a vencer por 0-3. Seguiram-se três empates para a Liga (Vizela 2-2 e Portimonense 1-1), um dos quais bastante polémico: falo da visita ao Porto, onde o FC Arouca empatou a uma bola, num jogo marcado pela falta de imagens do VAR, situação que poderia ter levado à repetição do encontro.

Apesar da boa performance frente aos dragões, daí em diante os arouquenses entrariam num ciclo tremendamente negativo: sete derrotas consecutivas para o campeonato. Pelo meio, o FC Arouca conseguiu vencer nas visitas aos terrenos do AVS para a Taça da Liga (1-2) e também em Felgueiras (1-3), contudo tal não conseguiu catapultar a equipa em termos anímicos e no jogar propriamente dito para poder reverter o ciclo negativo.

Após as derrotas em casa frente a Casa Pia (0-1), Chaves (0-2), Moreirense (0-1) e Benfica (0-2), mas também os desaires nas visitas ao Sporting (2-1) e ao Farense (2-0), o FC Arouca encontrava-se em último lugar na tabela. Apesar da equipa se mostrar a um bom nível frente ao SC Braga em casa, tal não foi suficiente para alcançar um resultado diferente. Mesmo que pela margem mínima (0-1), a derrota no encontro da 11ª jornada marcou o despedimento de Daniel Ramos do leme arouquense. Para o seu lugar, veio Daniel Sousa, jovem técnico cuja única experiência tinha sido meia época no Gil Vicente.

A paragem das competições de que o treinador usufruiu serviu para aumentar a confiança da equipa nos treinos, pelo que, no primeiro jogo desde a sua chegada, os comandados de Daniel Sousa mostraram-se a bom nível frente ao Boavista, vencendo nas grandes penalidades (2-2, 4-3 g.p). Seguiu-se uma goleada na visita ao Bessa (0-5) , um empate caseiro contra o Rio Ave (2-2) e novos triunfos contra o Gil Vicente (3-0) e Estrela da Amadora (1-4). A boa fase acabou frente ao Benfica, num jogo em que, apesar da exibição ousada, a diferença de qualidades notou-se e os encarnados venceram por 0-3. O FC Arouca acabaria por voltar a perder nas visitas ao Vizela (0-1), ditando a eliminação da Taça de Portugal nos oitavos, e ao Vitória de Guimarães (1-2). Tais resultados não beliscaram a boa forma da equipa dentro de campo, que voltou a mostrar a sua qualidade: depois destas três derrotas consecutivas, seguiram-se quatro vitórias seguidas, duas por 1-2 (Estoril e Portimonense), uma goleada frente ao Vizela (5-0) e ainda um triunfo em casa frente ao FC Porto (3-2), trazendo justiça ao encontro da primeira volta.

O conforto do sétimo lugar seria ligeiramente abalado pela derrota frente ao Casa Pia (0-1), mas o FC Arouca voltou a saber responder com vitórias (3-2 frente ao Famalicão, 1-5 na deslocação a Chaves). Era possível sonhar novamente com a Europa, mas a tarefa, por si só bastante difícil, foi tornada quase impossível com as derrotas frente ao Sporting e ao adversário direto Moreirense.

O sonho manteve-se vivo após as vitórias frente ao Farense (2-1), ao Braga (0-3), que já tinha confirmado Daniel Sousa como o seu técnico para a época que se inicia agora, e ao Boavista (2-1). Mas depois destas três vitórias seguidas, seguiram-se três empates seguidos: Rio Ave (1-1), Gil Vicente (2-2) e Estrela da Amadora (0-0).

Mesmo terminando a época com duas derrotas (0-5 contra o Benfica e 1-3 frente ao Vitória de Guimarães), o FC Arouca terminou a época num tranquilo sétimo lugar, dando uma volta de 180 graus na segunda volta ao panorama pouco animador de grande parte da primeira metade da temporada.

Espera-se nova temporada de sucesso dos arouquenses na Primeira Liga e poderá acompanhar tudo no Discurso Direto, bem como relembrar os detalhes de todos os jogos aqui referidos.

Foto: FC Arouca

Texto: Simão Duarte

sobre o autor
Simão Duarte
Discurso Direto
Partilhe este artigo
Relacionados
Newsletter

Fique Sempre Informado!

Subscreva a nossa newsletter e receba notificações de novas publicações.

O envio da nossa newsletter é semanal.
Garantimos que nunca enviaremos publicidade ou spam para o seu e-mail.
Pode desinscrever-se a qualquer momento através do link de desinscrição na parte inferior de cada e-mail.

Veja também