Folclore abrilhantou o “Fim-de-Semana das Coletividades” de Fermedo

Arraial organizado pelo Grupo Etnográfico de Danças e Cantares de Fermedo e Mato apresentou as danças e cultura popular de várias regiões do País

A 25ª edição do “Arraial de Folclore em Terras de Fermedo», organizado pelo Grupo Etnográfico de Danças e Cantares de Fermedo e Mato, realizou-se na noite do passado sábado, no largo da Feira de Cabeçais, no âmbito do evento “Fim-de-Semana das Coletividades”.

Vítor Ferreira, o presidente do Grupo Etnográfico fermedense, deu “cinco estrelas” à qualidade do certame, que, além do elenco “da casa”, contou com as participações do Grupo de Danças e Cantares do concelho de Sobral de Monte Agraço (Lisboa), do Rancho Folclórico das Lavradeiras da Lixa (Felgueiras) e do Rancho Folclórico “Luz dos Candeeiros”, de Porto de Mós.

O dirigente salientou a qualidade dos ranchos que deram vida ao festival de folclore, reafirmando que a programação deste evento beneficiou das “parcerias” estabelecidas com os grupos que subiram ao palco. Explicou que, este ano ou no próximo, o Grupo Etnográfico de Danças e Cantares de Fermedo e Mato também abrilhantará os arraiais de folclore de outros ranchos. Já em setembro demandará a Liza.         

Sobre o plano de atividades nos próximos meses, ainda destacou a habitual participação na Feira das Colheitas de Arouca e sublinhou que serão mantidas celebrações na Casa da Cultura de Fermedo, situada em Cabeçais, como será o caso do São Martinho.

Vítor Ferreira abordou, ainda, a realidade presente do rancho fermedense, dando nota de que pode elencar em cada apresentação «entre 30 e 35 elementos», assinalando que “o normal” é contar com um efetivo “entre os 30 e os 40”.

A sua confiança no bom futuro da instituição também se ancora – disse – nos jovens que já dançam e interpretam as tradições das freguesias de Fermedo e de São Miguel do Mato.

Recorde-se que este Grupo Etnográfico trabalha as tradições e valores ancestrais das duas localidades, com o fim de preservar a Histórias e as Memórias de um modo de vida que já se foi.    

Instalado em salão da chamada “Casa do Castelo”, um espaço museológico apresenta e informa sobre “O Ciclo do Linho”. Está sob cuidado e coordenação da professora Marina Perestrelo e aberto a visitas, mediante marcações prévias.

Pela Páscoa, a encenação da “Ementa das Almas”, tradição antiga, é outra das suas imagens de marca.

Na Casa da Cultura, em Cabeçais, sob sua gestão, está instalada uma Biblioteca e um espaço de acesso à Internet. Aí, também são realizados convívios e eventos culturais, designadamente de cariz musical e teatral.   

Alberto Oliveira e Silva

O Rancho da Lixa
Etnografia e Danças de Fermedo e Mato abriram o arraial
Armando Alves, André Gomes, Valdemar Moreira, Sérgio Rocha, Isabel Oliveira e Vítor Ferreira ainda faziam a festa na tarde de domingo
sobre o autor
Ana Isabel Castro
Discurso Direto
Partilhe este artigo
Relacionados
Newsletter

Fique Sempre Informado!

Subscreva a nossa newsletter e receba notificações de novas publicações.

O envio da nossa newsletter é semanal.
Garantimos que nunca enviaremos publicidade ou spam para o seu e-mail.
Pode desinscrever-se a qualquer momento através do link de desinscrição na parte inferior de cada e-mail.

Veja também